Kelem Gaspar


Saudações na doce e maravilhosa paz do Senhor Jesus!
Deus me chamou para a obra missionária aos quinze anos de idade durante um culto em minha congregação, em Ananindeua, no Pará, naquela ocasião, não aconteceu nada de sobrenatural durante a reunião, eu simplesmente ouvi a pregação da palavra, olhei para as minhas mãos, percebi que não havia nada nelas, então me debrucei diante do altar e disse: Senhor, não tenho dons, não tenho talentos, não tenho recursos, mas te ofereço o nada que sou, tenho e sei. Se houver algum povo que ninguém ame, dê-me a mim e eu o amarei.
Deus aceitou a minha oferta e depois de quatro anos de estudo, com dezenove anos e solteira, parti em busca de um povo não alcançado no norte das selvas bolivianas, em busca do povo que Deus me confiou.  Fui pela fé e Ele nunca me desamparou. Vivi muitas experiências, algumas maravilhosas e outras dolorosas, mas se eu tivesse mil vidas, em todas elas eu seria missionária.
Depois de anos servindo aos povos da floresta, já casada com o missionário Dulcival Guedes, retornamos para o Norte do Brasil, para o pequeno município de Maracanã, onde iniciamos, pela fé, o projeto missionário Campos Brancos, que tem como objetivo alcançar para Cristo os povos mais distantes e menos alcançados das regiões Norte e Nordeste, o que inclui cinco dos segmentos menos alcançados do Brasil: indígenas, ribeirinhos, quilombolas, sertanejos e ciganos. Esse alcance se daria através do envio de jovens missionárias, preparadas previamente em Maracanã para alfabetizar, evangelizar e discipular crianças e adolescentes dessas comunidades, para através desse trabalho alcançar toda a família para Cristo.   
O nosso início não foi fácil, moramos durante cinco anos em uma pequena casa coberta de palha, sem água e sem energia, mas estávamos felizes, era o melhor lugar do mundo, era o centro da vontade de Deus. Na hora certa, Deus abriria as portas e tornaria tudo possível, esses primeiros anos foram um grande exercício a fé. Decidimos então, começar a primeira creche, porque aprendemos que quando nós começamos, Deus começa também. Iniciamos o projeto pela fé, dividindo a comida de nosso próprio prato com os primeiros alunos. As dificuldades eram muitas, mas o Deus das missões está vivo e ia nos dando vitória a cada dia. O horário de entrada era as sete da manhã, mas as cinco da manhã, ainda escuro, já havia crianças ao redor da casa. Como era lindo ver a cada dia, as trevas espirituais retrocedendo e elas chegando ao conhecimento de Cristo. Nunca mandamos voltar nenhuma criança e nem limitávamos as vagas, dizíamos sempre: Senhor, Tu é os fundador e o mantenedor desta obra, manda quantas crianças quiseres. E Ele ia aumentando o número a cada dia.
O trabalho foi se desenvolvendo para a glória de Deus, mesmo sem nenhuma ajuda pública ou privada. Tudo pela fé e conquistado com oração.
Hoje temos cento e vinte crianças e adolescentes matriculados aqui na Creche Escola Missionária Peniel Sede, em Maracanã. Eles estão sendo alfabetizados, evangelizados, discipulados e preparados para serem futuros obreiros da seara do Mestre. Aqui eles recebem um lanche diário e tem as suas necessidades mais urgentes supridas. Suas famílias também são atendidas pelo projeto missionário. Acontecem culto nos lares, discipulado e muitas atividades que vem resultado na salvação de famílias inteiras.
Iniciamos o curso feminino de missões transculturais com uma única aluna, vinda do Rio Grande do Norte, a jovem pedagoga Ednalva, que foi chamada por Deus para trabalhar em Sua obra e atendeu com alegria. Logo, outras jovens se juntaram a nós, voluntariamente, para aprender sobre missões e servirem os mais pobres. Hoje, já  formamos seis turmas de jovens missionárias, atualmente temos dez alunas internas, elas moram em casas de barro aqui na vila missionária, trabalham na horta, dão aula na creche, são as obreiras das pequenas congregações dos ramais mais distantes e evangelizam nas vilas  e   ilhas não alcançadas e temos também doze missionárias  em campo, sempre nos lugares mais distantes e difíceis.
Deus colocou em nosso coração a necessidade de estender o trabalho da creche até a Ilha do Derrubada, uma comunidade ribeirinha carente e com muitas crianças precisando de suporte na áreas espiritual e educacional.  A missionária Ednalva está morando nessa ilha com sua família e trabalhando nesse projeto. Eles moram em uma casa de barro, sem água encanada e com instalações elétricas precárias, mas estão felizes. Que honra defender os interesses de Cristo!   Algumas crianças caminham até 14 km para chegar à creche. Chegam cansadas e famintas. Muitas crianças e adolescentes já aceitaram e Jesus e estão sendo discipulados. Deus está salvando famílias inteiras nesse lugar!
Enviamos então, outras duas jovens missionárias mais para o centro da ilha de Derrubada, onde alcançamos as comunidades de Derrubadinho e Jaucaia, sendo o Jaucaia uma comunidade ribeirinha totalmente não alcançada, onde nunca antes havia sido dirigido nenhum culto. Para atender essas duas comunidades, as missionárias vão de moto mata adentro por quilômetros, enfrentando perigos de areais, chuvas, cobras, onças, etc, mas têm avançado com alegria! Iniciamos o trabalho de evangelização e discipulado com as crianças e seus familiares na casa da chefe da Igreja Católica da comunidade, e após um ano de fartos esforços, começamos a colher os primeiros frutos para o reino de Deus. É isso amados, não é rápido e nem fácil, mas é urgente! Precisamos investir tempo, recursos e muito amor e dedicação. Mas vale tremendamente a pena.
Há dois anos alcançamos outra comunidade ribeirinha que ainda não tinha ouvido falar de Jesus, o Beira Mar. Lá também nunca tinha sido dirigido um culto e as pessoas não conheciam o Evangelho. A comunidade é igualmente carente e o único meio de subsistência é a pesca.  Enviamos uma missionária ainda solteira e hoje, já casada, está conquistando para o Cordeiro a recompensa pelos seus sofrimentos junto com sua recém formada família, eles ainda moram em uma casinha de barro, sem água encanada, sem energia de qualidade, sem sinal de celular e sem internet... Mas já nos alegramos com os primeiros frutos desse trabalho, várias pessoas já fizeram sua decisão por Cristo e uma pequena congregação de vara e palha foi levantada. Que alegria por uma alma que se converte,  uma só delas vale mais que o mundo inteiro.
Iniciamos a necessária e urgente obra entre os ribeirinhos no arquipélago do Marajó,  na  ilha de São Tomé, em Portel, onde várias famílias carentes viviam uma vida de sofrimento, sem conhecer a Cristo. Nós Iniciamos, pela fé e por amor, a creche missionária e cerca de cinquenta crianças e adolescentes estão diariamente recebendo alimentação, evangelização, discipulado e orientação para a vida. O trabalho tem prosperado e quase todos os atendidos já se entregaram a Cristo e estão vivendo as bênçãos vindas dessa comunhão.
Esse ano, tomamos conhecimento de uma comunidade sertaneja não alcançada no extremo sertão piauiense, onde não chove há anos e a temperatura chega a 42°. Soubemos que  em lagoa da cobra, havia um povo carente de tudo, que não havia água e nem mantimentos suficientes, mas nós sabíamos também que ali havia pessoas incluídas no plano salvador de Cristo e que a igreja de Cristo precisava chegar até ali. Meu esposo Dulcival resolveu ir para o sertão procurar o assentamento e após dias procurando, nos deu a alegre notícia de que o havia encontrado. O quadro que ele descreveu foi desolador, ou seja, perfeito para ser transformado por Cristo. Meu Jesus é assim, quando Ele chega a um lugar, Ele muda tudo.  Ele passou dois meses lá preparando a base e enviamos duas missionárias para iniciarem a obra evangelizadora na comunidade. Na primeira semana sete adultos e cinco crianças aceitaram a Jesus entre lágrimas de alegria. Os cultos já estão sendo dirigidos em baixo de um Umbuzeiro, mais pessoas já receberam a Cristo, as crianças já estão sendo alfabetizadas e evangelizadas! Jesus está mudando aquele assentamento a cada dia! Está fazendo tudo novo! Glória a Deus!
Hoje temos 400 crianças e adolescentes atendidos em todas as seis creches missionárias, doze jovens missionárias em campos e outras dez em treinamento. Não temos nenhuma ajuda pública por opção nossa, Escolhemos só confiar em Deus e Ele nunca nos desamparou! Sabe quantas vezes faltou comida na mesa das nossas crianças? Nunca. Deus é totalmente digno de confiança!  
Amados, nosso Deus não mudou, ele ainda é o mesmo. Seus recursos continuam disponíveis para aquele que se dispõe a fazer a sua obra! Então avancemos todos, Deus só pode contar com a sua igreja para tornar a sua mensagem conhecida. E essa mensagem é urgente, não podemos esperar.  O destino de milhares de pessoas está em nossas mãos. Missões é uma questão de eternidade!
    
Missionária Kelem Gaspar
Membro da AD Maracanã/Pa
Autora do livro Pakau, a chamada, o preço e a recompensa (CPAD)
E-mail: missgaspar@ig.com.br


CLIQUE e OUÇA - Testemunho Completo

www.palcomp3.com/kelemgaspar



9 comentários:

  1. AMEI TER TIDO A OPORTUNIDADE DE LER ESTE LIVRO, MUITO EDIFICANTE! PARABENS!

    ResponderExcluir
  2. Missionária como obter seu livro?? Me ajude n sei como ter .quero muito ler..

    ResponderExcluir
  3. Foi só Vitória hoje no congresso das senhoras em Serrinha ba ..q Deus te abençoe tremendamente..

    ResponderExcluir
  4. A Assembléia de Deus em Itapetinga teve a honra de ouvir a serva do senhor Kelem gaspar! Que benção maravilhosa! Como fomos abençoados e encorajados a fazer a obra, a ajudar orando, contribuindo com o reino através desse testemunho abençoado!! Deus é tremendo e continua a usar seus servos aqui na terra! Fui ricamente abençoada neste final de semana.Graças a Deus pela vida desses servos que se dispõem a fazer a obra do Senhor! O seu trabalho não é vão no senhor minha irmã. Um grande abraço na Paz do Senhor! Tania Macario

    ResponderExcluir
  5. gloria a DEUS por esta obra maravilhosa que chegou em minhas maus ja me tornei um colaborador dessa obra seu livro foi um canal de bencao pra min

    ResponderExcluir
  6. sou grato a DEUS por esta obra que peguei com um amigo este livro mudou minha maneira de ver missao agora quero contribuir com o projeto campos brancos

    ResponderExcluir
  7. Kelem, estou impaquetado com a sua garra e seu amor pelas almas sem Cristo, estou fazendo missiologia e seu livro faz parte do nosso aprendizado, hoje estou fazendo uma resenha dele, mas procurei sobre você nas rede e já vi 3 vídeos seus e também fiquei novamente impaquetado com o menino que deixou de comer durante 3 dias os ovos cozidos para ofertar para missões. Meu dia começa com três ovos cozidos e fiquei envergonhado por fazer tão pouco para missões, posso fazer mais, e a partir de hoje assumirei esse compromisso. Obrigado por me apresentar missões, eu achava que sabia o que era missões, achava até que era um missionário. Boa noite, e a Paz do Senhor Jesus.

    ResponderExcluir

Página inicial